quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010


sábado, 2 de janeiro de 2010

Semear em terra fértil!

Na altura em que os meus pais se casaram, a homossexualidade era vista como uma doença, talvez até contagiosa. Quando eu me casei, havia quem aceitasse que um ou outro amigo tivesse uma relação com outra pessoa do mesmo sexo. Quando chegar a vez dos meus filhos, já vão poder escolher com quem se vão querer casar, independente do género.
.
Mas não basta que se mudem as leis. Nós, pais e educadores temos de fazer a nossa parte para que realmente se mudem as mentalidades.
.
Hoje a miúda veio mostrar-me duas bonecas a darem beijinhos na boca.
Eu: "- Ah, sim, que bonito, estão a nomarorar, é?", perguntei eu naturalmente.
Ela: "- Sim, mas são duas meninas. Não podem, pois não?"
Eu: "- Podem, claro! Se são namoradas, podem.
.
Daqui a vinte anos vamos colher os frutos.
Um bom ano para todos! Estou de volta!

sábado, 11 de julho de 2009

E agora vou de férias!
Até!

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Nostalgia

é o que sinto ao arrumar o bibe dele.

No 1º Ciclo já não se usa...

terça-feira, 7 de julho de 2009

"Cinco crianças com Gripe A, externato em Lisboa encerrado"

Ainda outro dia, na festa da sala do miúdo, um pai perguntava se a miúda (na altura doente em casa) não estaria com a Gripe A...
Pessoalmente não quero estar com pessoas que tenham vindo há menos de 7 dias de zonas com casos confirmados, por isso deixem as visitinhas e as 1357 fotografias atrás de uma palmeira para mais tarde!

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Está difícil,

está a ser mesmo muito difícil...


Ter um filho tão irrequieto como o meu, leva-me todas as forças. Acho que nunca o vi tão eléctrico e rebelde como neste último mês. Normalmente intercala picos de actividade, semanais, mas agora parece que nunca mais acaba.


Nas férias vai estar num ATL, com pessoas que não conhece e que também não o conhecem e eu estou a morrer de medo! O programa engloba o dia todo em actividades e acho mesmo que não vai aguentar. Se fosse agora não o inscreveria, mas andava tão bem, tão atilado, que achei que seria uma maneira de o preparar para a mudança de escola e entrada no 1º ciclo.


Hoje, o último dia no colégio, sei que está tristíssimo por deixar a Educadora, por deixar os amigos (que seguem juntos para a mesma escola), por deixar a segurança de um ambiente escolar que o apoiou e o respeitou durante este último ano e já se fartou de chorar e "birrar" a manhã toda.


Queria tanto poder ajudá-lo, retirar-lhe toda a dor que tem lá dentro, mas realmente já não sei o que fazer. Só o posso apoiar, dar-lhe segurança, mostrar-lhe que o amo assim como ele é, que o aceito assim mesmo, irrequieto e desaustinado. O problema é que fazer isto nem sempre é fácil e nem sempre é verdade. Por vezes queria-o diferente e ele percebe isso.


Costumava pensar e dizer que, por causa da minha formação, seria uma boa candidata a um filho problemático, mas passar por experiências em ambiente profissional nada tem a ver com vive-las em casa. A teoria foge pela janela assim que a realidade nos entra pela porta!


Palavras de quem parece que sabe: o miúdo tem uma vinculação insegura e isso reflecte-se nas diferentes esferas da sua vida.


Sem perceber bem como, tenho falhado como mamã e ele não se sente assim tão amado como eu o amo. Outro dia contou-me mais um dos seus pesadelos: a casa estava cheia de fantasmas e eu e o pai também éramos fantasmas. Na realidade eu era só meia mãe. Pôs as mãos na minha cara e dividiu-me em duas. "deste lado tinhas olhos, nariz e boca de mãe, mas deste eras fantasma..."


Eu, que sempre quis ser uma mãe inteira!


Está a ser difícil, muito difícil...

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Santa paciência!

Aquela anormal que apareceu no telejornal a dizer que "claro que ia apanhar o voo para o México, que esta parvoice da gripe é só uma maneira da industria vender medicamentos e que ia fartar-se de passear", e rematou a conversa com "o meu marido é médico e levamos Tamiflu! hihihi!"
Parva! Espero que apanhe uma gastroenterite e que passe a semana toda sentada na retrete! E ainda é pouco! Estúpida!
Isto sim, é ser-se completamente básica, oca, fútil e imbecil!

segunda-feira, 18 de maio de 2009

O Magalhães!

Esta é a razão da minha longa ausência!
O meu pc está novamente doente e só tenho o magalhães para me ligar à rede. Já algum adulto tentou escrever mais do que duas frases neste micro pc? Para além de estar meia ceguinha, já não aguento os erros ortográficos que os meus mega-dedos-em-micro-teclado me fazem dar!

terça-feira, 28 de abril de 2009

Boas ideias!



"101 coisas e meia para fazer antes de crescer"


Excelente! O miúdo adorou!
Claro que também percebemos o quão nós já estamos crescidos... e morremos de inveja dos nossos pequenotes!
De brinde, nesta edição, um prefácio do Eduardo de Sá, escrito de uma maneira que só ele mesmo sabe fazer!
Já agora, misturem pó de gesso com um pouco de água e registem a mão dos miúdos!

terça-feira, 21 de abril de 2009

Falar é o melhor remédio!

Acredito mesmo que uma única pessoa pode fazer a diferença e aqui está a prova!
Aplaudo de pé!
O tema é demasiado importante. Está em jogo bem mais do que um simples pai poder participar no nascimento dos seus filhos, o que já não é pouco, não me interpretem mal!
O nascimento é um grande momento naquela relação afectiva que se tem vindo a desenrolar ao longo dos meses e de enorme importância no processo de vinculação.
Poder tocar, olhar, cheirar e ouvir o nosso filho logo ali vai fazer com essa vinculação se processe muito mais rapidamente.
Não exijo que todos os pais queiram lá estar, nem que todas as mães os queiram por perto (JURO!), mas sei perfeitamente que é um elo na relação que não tem paralelo. Nada está perdido, mas é algo irrecuperável.

Percebo as motivações das mães que preferem estar sozinhas e percebo os motivos dos pais que preferem esperar lá fora, mas penso que se se informassem mais sobre o assunto, iriam mudar de ideias!

Partilhar o momento do nascimento do nosso bebé com o homem que amamos e que nos fez aquele filho é o maior prazer que podemos algum dia ter juntos!

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Estamos a falar de quê?


Mas qual é o produto para venda? Sapatos não pode ser...

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Sempre com Ésses!

1. Qual seu nome? SUSANA

2. Uma palavra de nove letras: SOLITÁRIO

3. Um nome de Rapaz: SALVADOR

4. Um nome de Rapariga: SALOMÉ

5. Uma profissão: SECRETÁRIA

6. Uma cor: SÉPIA

7. Uma bebida: SEVEN UP

8. Uma comida: SAPATEIRA

9. Alguma coisa que se encontra no W.C.: SABONETE

10. Um lugar: SALVADOR DA BAÍA

11. Uma razão para se atrasar: SONO...

12. Algo que se grita: SOCORRO!
Vi este desafio algures, já não sei onde e apeteceu-me fazê-lo.
Durante anos e anos, não gostei do meu nome, por não gostar da letra S.
Ou melhor, não gostava de desenhar Ésses. O meu nome eram curvas e contra-curvas, que tinha de fazer várias vezes que, nas mãos de uma criança acabava por ficar sempre mal. Depois, na minha fase de artista, tinha de o fazer com pincel, em peças cerâmicas, e era o diabo! Ficavam sempre ou muito grossos, ou muito finos, ou ambos!
E para piorar, tinha dois no meu nome! Assinava sempre com um Z...
Depois voltei ao diminutivo que me deram quando nasci, acrescentei um coração pequenino(faço colecção deles há anos) mesmo no início do Ésse e fiquei satisfeita!
Vendo bem, a parvoice até poderia ter sido pior...

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Aos milhares!




São tainhas, aos milhares, a alimentarem-se de uma descarga, a céu aberto e sem tratamento, do esgoto de uma capital europeia, bem junto a um dos seus monumentos mais visitados pelos turistas, nacionais e estrangeiros.

Onde?

Cá dentro, claro! Mesmo ao lado do Padrão dos Descolbrimentos...


Se for para acabar com esta imagem, fotografada há um ano atrás, aceito as obras no terreiro do Paço sem pestanejar!

segunda-feira, 30 de março de 2009

E uma das especialistas sou eu!


Dia 5 vou estar aqui! Vai ser uma novidade!

Vou fazer uma sessão de massagem infantil ao ar livre a várias mamãs e vai ser uma estreia! Espero que o tempo ajude e que eu consiga transmitir o quanto o Toque é importante na nossa vida, que se inicia ainda na barriga da mãe e que nos alimenta o coração de afectos!


Gosto destas iniciativas positivas, deste mecanismo humano que nos leva a querer uma união, já um tanto ou quanto esquecida neste mundo cheio de umbigos e individualismos!


Alguém mais quer vir?

sexta-feira, 27 de março de 2009

Há dias felizes!



Deliciosamente acabado de roubar daqui e directamente para a festinha no colégio da miúda, para festejar o seu 3º aniversário!

quinta-feira, 12 de março de 2009

JURO

que não tive nada a ver com o resultado do último jogo daquele clube! Juro!

Enquanto estive sentada naquela cadeira verde (ao menos podia-me ter calhado uma vermelha!), a ouvir o "só eu sei..." e a fazer a onda um bocado contrariada, só tive olhos para estes dois! Por muito que isso me custe...

Juro que não lancei qualquer tipo de feitiços, maus-olhados ou cargas negativas à equipa!
Nem mesmo pedi vingança por um certo jogo, há uns certos anos atrás...

Imagem gentilmente "roubada" daqui

quinta-feira, 5 de março de 2009

Até me custa escrever, mas...



só de pensar que domingo (um dia santo!) vou entrar naquele estádio verde horrível, sentar-me naquelas cadeiras (blhac!) e assistir ao Sporting (cruz credo!) a jogar, até me apetece apanhar a gastroenterite que circula no colégio!


E ainda tenho de gastar uns € numa camisola alagartada para vestir ao miúdo...


O que vale é que o Paços de Ferreira vai ganhar, claro!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Na Terra do Nunca!


Não sei se já o tinha dito, mas amo tanto, tanto os meus filhos...

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

É oficial!


No meio do transito de regresso a casa, parados em plena avenida, o miúdo começa:


"C-A-S-A-D-A-M-O-E-D-A. Mas aqui há muitas moedas?"


Já sabe ler, sem nunca ninguém lho ter ensinado e adora ver o jornal e perceber o que aquelas letras todas juntas querem dizer.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Na Lista Negra!

Há alguns programas proibidos cá em casa: Malucos do Riso, Contemporâneos, Wrestling, SIC Radical no geral são alguns e, a partir de hoje, também o Canal AR.
.
No limiar da boa educação, a Assembleia de República já começa a querer roçar algumas cenas de luta livre. As repetidas entoações de enfado, o burburinho constante enquanto os deputados falam, o tom jocoso do Primeiro Ministro e uma voz a chamar-lhe "PALHAÇO, PALHAÇO!" foi demais!
.
Desliguei o rádio quando começou a falar o Paulo Portas. Tanto também não!

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Qui maiss m'irá acontê?...

miúdo: "Mãe, fiz cocó nas cuecas!"
miúda: "Mãe, fiz xixi nas calças!"
eu: "Meninos, não querem fazer mais nada?!"
miúda: "Mamã, vomitei..."

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009


quinta-feira, 29 de janeiro de 2009


E há receitas novas aqui!


quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Adoram filmarem-se a fazer macacadas e parvoices!

De repente percebemos que o miúdo tinha enviado este video para um cliente do papá...

video

Pocrê, mamã?

E já de volta ao colégio, depois de uma semana em casa cheia de mimos de mãe:
"- Pocre me deixaste na cola xozinha?"
Tenho de a começar a pô-los lá mais cedo, quando ainda andam pais e filhos pelas salas. Pode ser que a ajude a não se sentir tão abandonada...

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009


Uma semana fechada em casa...




doentinha e carente...

.
mas sempre a encontrar brincadeiras interessantes e lúdicas!
.
Para quê um quarto só para brinquedos, se o que gosta é de ir para a cozinha brincar com o que encontra? Sai à mamã... parece que eu podia ficar uma tarde inteira a brincar com uma gaveta e o seu conteúdo.
.
Depois é vê-la correr para o quarto para ouvir música e dançar! É impressionante como gosta de o fazer! Já disse aqui que no fim-de-ano ficou acordada até às 4 da manhã a dançar comigo? Uma querida!

sábado, 24 de janeiro de 2009

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Lembro-me bem do Luís...

O Luís era um dos meus colegas de escola. Sempre calado, sempre encostado às paredes da escola, sempre com as mãos nas alças da mochila e sempre com a cabeça baixa, com os olhos postos no chão, o Luís era um miúdo estranho. Não tenho grandes memórias dele na sala de aula, mas lembro-me de que era bom aluno, escrevia sempre por cima de uma régua e se se enganasse a fazer um exercício, rasgava cuidadosamente a folha e começava tudo de novo.
.
Um dia em que a professora de inglês pediu-lhe para ler uma "sentence". O Luís não falava com ninguém, não fazia perguntas, nunca abria a boca e a professora insistia com ele. Acho que ela devia ser nova na turma e ninguém a informou desta questão... eu expliquei que ele não falava, mas a professora não cedeu. Depois de elevações de voz e umas palmadas na mesa, o Luís acabou por ler baixinho, quase imperceptível.
.
Chegava sempre atrasado, mas durante os intervalos era massacrado por algumas raparigas do grupo a que eu pertencia: falavam com ele a um milímetro de distância, tocavam-lhe no corpo, mexiam-lhe nos cabelos, faziam-lhe cocegas, gritavam-lhe aos ouvidos. Tudo porque o Luís não falava e tinha de falar! E quando ele começava a andar, a tentar escapar daquele martírio, aquelas anormais iam atrás dele a chamar-lhe toda a espécie de nomes.
.
Devíamos ter uns 14 anos e nunca me esqueci do olhar que muitas vezes me dirigia, como que a pedir socorro, socorro que eu nunca lhe prestei.
.
Perdoa-me.

Voos Altos

Depois do jantar de anos da minha amiga, fiquei com uma estranha sensação e tive mais um sonho maluco. Vivia num mundo fantástico, onde se podia voar, rasar sítios impossíveis, dar saltos e piruetas nas nuvens e passar por portas proibidas...

Quando acordei, senti-me sozinha... faz-me falta qualquer coisa...

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Um sonhou-o, o outro conseguiu-o!





Por acaso, hoje tenho a miúda e o marido em casa, doentes. Vou buscar o miúdo à escola mais cedo e juntos vamos ver ao vivo a história mudar.
Hoje é um óptimo dia!